Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Linha Toxicodependência

O seu espaço na net para saber mais sobre toxicodependência

O seu espaço na net para saber mais sobre toxicodependência

Linha Toxicodependência

05
Set07

Drogas, pais e filhos: os porquês

linhatoxicodependencia
Quando alguém se interroga dos porquês da entrada na toxicodependência, surgem, inevitavelmente, por esta ordem ou outra: a busca do prazer imediato, a pressão por parte dos outros, a curiosidade, a acessibilidade, a vontade de se sentir mais velho(a) e/ ou confiante, a revolta, a dificuldade de enfrentar a pressão, de conseguir lidar com maus tratos ou abusos ou uma forma de melhorar a imagem.

Não nos esqueçamos que estamos a tratar, na maioria larga das vezes, de uma franja particular da população – a juventude – que está habituada a receber mais informação do que aquela que pode descodificar e que é habitualmente confrontada com mais opções do que aquelas que pode tomar, numa idade em que é mais apetecível agir que reflectir.

Pode dizer-se que, de um modo geral, os jovens experimentam drogas porque o seu sistema de valores interno não está suficientemente desenvolvido para resistir às pressões externas.

Uma vez deixados enredar, só conseguirão delas libertar-se quando conseguirem assumir responsabilidades perante si e os outros, quando forem capazes de tomar decisões, e tiverem arcaboiço para suportar depois as consequências, e quando conseguirem reconhecer obrigações nos valores (habitualmente adormecidos durante a fase dos consumos) que sustentam, quer eles estejam relacionados com os seus filhos, pais, amigos, empregados, colegas, vizinhos, ou com o país em que vivem.

Acresce que a sociedade de consumo em que se (nos) integram está aliada a diversas questões, como forte individualismo (egoísmo), competitividade, busca incessante do cómodo e confortável, falta de solidariedade e de comunicação, ansiedade e stress, factores estes que vão provocar, depois, insegurança e instabilidade psicológica.

Além disto, podemos apontar a existência de problemas sociais como desemprego, pobreza, exclusão, racismo, degradação patrimonial, falta de condições de ensino e insucesso escolar e profissional, os quais, juntamente com a indiferença religiosa e a inexistência de crença na transcendência humana, podem ser conducentes ao uso de substâncias psicoactivas.

Deste modo o recurso à droga pode ser visto como a forma de o Homem combater um sentimento individual e colectivo de angústia e insegurança.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D